Terça-feira
26 de Março de 2019 - 

Previsão do tempo

Hoje - São Paulo, SP

Máx
28ºC
Min
19ºC
Parcialmente Nublado

Quarta-feira - São Paulo, ...

Máx
27ºC
Min
18ºC
Nublado com Poss. de

Quinta-feira - São Paulo, ...

Máx
27ºC
Min
17ºC
Nublado

Sexta-feira - São Paulo, S...

Máx
28ºC
Min
16ºC
Parcialmente Nublado

Iniciativa implantada na Comarca de Ibitinga é finalista do 7º Prêmio Patrícia Acioli de Direitos Humanos

Projeto “A Janela” foi indicado na categoria Práticas Humanistas.           A servidora Izilda Aparecida Furlaneto Ferreira, chefe de Seção na Vara do Juizado Especial Cível e Criminal da Comarca de Ibitinga, é uma das finalistas, na categoria Práticas Humanísticas, do 7º Prêmio Patrícia Acioli de Direitos Humanos. O projeto indicado, “A Janela”, trouxe melhorias para a sala de espera onde presos e escolta aguardam audiências. Os vencedores serão conhecidos na segunda-feira (12) em cerimônia que acontecerá no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. O prêmio criado em 2012 celebra a memória da juíza Patrícia Acioli, da 4ª Vara Criminal de São Gonçalo, morta em 2011, em Niterói, por policiais militares.         O projeto “A Janela” contou com o apoio do juiz Júlio César Franceschet. No início de maio deste ano começaram a ser tomadas providências como limpeza da sala, melhoria do layout, retirada de fios e canaletas, mudança da denominação e decoração com quadros e plantas. O trabalho foi encerrado em 18 de junho com ajuda dos estagiários Ana Beatriz da Cunha, João Pedro Vitor Arantes, Paula Dantas Fernandes e Rafael Gaion Faustino dos Santos.         De acordo com a Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro (Amaerj), que organiza o prêmio, a atual edição bateu o recorde histórico de inscritos, com 355 trabalhos. Definidos pela Comissão Julgadora, 18 finalistas concorrem ao Prêmio nas categorias Trabalhos dos Magistrados, Reportagens Jornalísticas, Práticas Humanísticas e Trabalhos Acadêmicos. Os materiais selecionados tratam de temas como escravidão, fome, refugiados, violência urbana, feminicídio e prolongamento artificial da vida.         “A prática tem sucesso à medida que alcança o íntimo das pessoas que ali se acomodam por alguns momentos, rápidos sim, mas que produzem uma essencial mudança no sentimento de pertencimento e de inclusão social”, afirma Izilda.                    imprensatj@tjsp.jus.br
09/11/2018 (00:00)
Visitas no site:  1177767
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.